A festa estava muito animada. Fazia tempos que eu não via a Duda tão feliz. A gente namora há quatro meses, mas ninguém (inclusive eu) consegue entender como a nossa relação vai pra frente.

Eu e meus amigos estávamos todos reunidos, cada um falando sobre as farras e a vida pessoal. Até por que ano que vem é o terceiro ano e todo mundo tá a fim de aproveitar ao máximo o final do ensino médio.

A discussão estava no auge quando o Matheus chegou apresentando uma menina:

_ Ai gente, essa é a Maria Luiza. Acho que a maioria de vocês deve conhecer ela.

_ Malu?! A Malu do 1ºano? Menina… Você tem que parar de se esconder dentro de casa…

_ Né mano! Por que cê não leva ela nas festas em Matheus?!

_ Ta querendo ela só pra ele.

Então o Lucas virou pra ela e disse:

_ Realmente… Você tem que sair mais, Maria Luiza.

A garota ficou tão sem graça que foi para outro lugar.

_ Ô Matheus, essa tal de Maria Luiza é lá da escola?

_ Sim e também é a melhor amiga da sua namorada aniversariante, Rafael!

Eu podia jurar que nunca tinha visto ela. E tenho que admitir, ela tava muito linda. Usava um vestido preto meio solto, um pouco acima do joelho e tinha o cabelo cacheado nas pontas. Fiquei um pouco na curiosidade pra saber mais sobre ela, mas os caras não perdoa uma mesmo.

_Cês espantaram a garota daqui! Por isso que ficam ai, sozinhos!

_ Êêê, relaxa ai Rafael, cê tem namorada. O mais interessado aqui sou eu.

_ É, e foi justamente por causa de você que ela saiu Lucas, se tivesse um pouco mais de respeito pela menina.

_ Gente, pode ir tirando o cavalinho da chuva. A Maria não é de nenhum de vocês, ok?

O Matheus, apesar de galinha, era um cara justo em relação ao que queria e sentia, já o Lucas não, ele é o tipo de cara que é capaz de fingir qualquer sentimento para conseguir o que quer e sem medir palavras:

_ A Matheus, fala sério! Cê é amigo dela há tanto tempo e não pegou ela até hoje. Ta na cara que ela não te quer. Então deixa pra outros.

_ Lucas, você esta avisado. Se fizer alguma coisa com ela, vai arrumar confusão comigo.

Depois dessa discussão, o Matheus e o Lucas passaram a festa toda sem se falarem. Quando um saia de perto o outro vinha, quando outro vinha o outro saia. A situação ficou até meio chata, mas ninguém estava aguentado mais os joguinhos do Lucas, por tanto, quem ficou mais tempo de fora foi ele, sabe-se lá fazendo o que.

00:00 em ponto e a Duda estava ali, vindo na minha direção. Mais linda que o normal. O vestido de valsa dela era em um tom de azul claro e muito rodado, do jeitinho que ela queria. Enquanto dançávamos, ao som de Ron Pope (A drop in the ocean) ela olhava fixamente para os meus olhos e então me lembrei do dia em que a conheci, ela estava sentada, no cantinho de uma festa de calouros do 1º ano, fiquei meio intrigado, nunca tinha visto ela em lugar algum, como estava aqui? Uma das minhas maiores manias é a curiosidade. Não sei se posso chamar por esse nome, mas sempre que conheço ou vejo alguém novo, quanto mais a pessoa evita falar sobre ela, quando mais segredos, mais eu me aproximo, sempre quero mais. E a Eduarda estava lá, perfeitinha, sentada em um degrau da escada. Quer dizer, o corpo dela estava lá, mas a mente não, ela estava tão longe enquanto tocava essa musica que nem percebeu eu me aproximando. No inicio ela não estava muito interessada nos meus assuntos, porem logo percebeu que eu não ia desistir fácil, e então resolveu me responder:

_ O que foi?

_ Por que você esta aqui no canto?

_ Talvez porque eu não conheça ninguém?

_ Prazer, Rafael. Agora já pode levantar e ir conversar com o pessoal.

Ela não teve a reação que eu queria. Resolvi me desculpar.

_ Desculpa… Não quis ser sem educação. Mas não quero te ver aqui sentada, vamos lá pro meio da galera, você vai gostar deles. Se não se enturmar como vai ser sua próxima semana como caloura? Aliás, por que nunca te vi lá na sala?

As aulas haviam começado há uma semana e como estava muito desligado esses dias, não achei impossível ela ser da turma e eu não ter visto.

_ Eu não sou do primeiro ano, acabei de entrar no nono.

_ Mas lá não tem ensino fundamental.

_ Eu disse que era da sua escola?

_ Até então você não me disse nem seu nome.

A garota era bem marrentinha, eu nem era muito disso, mas não pude perder a oportunidade de provocar. “Eduarda. Meu nome é Eduarda. Satisfeito?!”. Depois disso conversamos a noite inteira. Já eram quase duas da manhã e o assunto continuava fluindo como se já nos conhecêssemos há tempos. Ela me contou que era a amiga dela, Melissa, que estava entrando na minha sala e como também não conhecia ninguém tinha chamado ela pra ir fazer companhia. Só que a tal não apareceu e disse que não pôde ir porque não tinha tido tempo de ir ao shopping comprar roupa pra vir.

_ Porque você não foi embora quando ela disse isso?

_ Eu até estava indo, só que aquela musica começou a tocar e tive que ficar pra escutar.

Assim que disse isso ela abriu o primeiro sorriso pra mim, e foi a partir dessa hora que soube que queria presenciar muito mais ao lado dela.

Anúncios